A Coruja de Monte Suntria

Suntria é uma das denominações de Sintra...O Monte da Lua ...a coruja...sou eu!

domingo, 23 de setembro de 2012

Misture flores, folhas e especiarias-potpourri

Misture flores, folhas e especiarias


A maneira tradicional de captar a essência dos jardins é através dos potpourris: taças com uma mistura de fragrantes e coloridas flores e folhas. Aprenda a fazê-los.



O termo potpourri abrange muitas misturas aromáticas, mas a palavra francesa original significa "vaso podre", uma mistura húmida de flores e folhas em conserva. Este método húmido, liberta um perfume mais duradouro, mas é difícil de fazer e tem um aspecto menos atraente que o sistema seco. Este último está mais vulgarizado, devido à sua facilidade de preparação e por poder ser colocado em taças ou almofadas.
Mas o que é preciso para fazê-los? Primeiro é necessário possuir os ingredientes básicos que se agrupam em quatro categorias: flores, folhas aromáticas, especiarias e fixadores.
Algumas dicas
• As flores e folhas devem ser colhidas antes de desabrocharem completamente. No processo de secamento deve achatá-las o mais possível.
• O aroma das especiarias é melhor se estas forem moídas de fresco num almofariz.
• Quando o seu potpourri perder o cheiro acrescente-lhe algumas gotas de óleos essenciais, pois estes são excelentes para reavivar a intensidade de qualquer mistura perfumada.
Potpourri culinário
Ingredientes
• 2 chávenas de manjerona
• meia chávena das extremidades floridas do tomilho
• meia chávena de manjericão
• 2 colheres de sopa de folhas de uva-ursina
• 20 folhas de louro
• 2 colheres de sopa de folhas de murta
• 2 colheres de sopa de casca de laranja
• 20 sementes de cardamomo
• 20 bagas de zimbro
• 2 colheres de sopa de cravinho
• 2 paus de canela
Potpourri repelente
As moscas incomodam, sobretudo, no tempo quente. Para se livrar da sua presença prepare este potpourri que além de ser aromático é um eficaz repelente.
Ingredientes
• 2 chávenas de flores de alfazema
• 1 chávena de alecrim
• meia chávena de hortelã-verde
• uma chávena de abrótano
• um quarto de chávena de poejos
• um quarto de chávena de artemísias
• um quarto de chávena de lascas de madeira de cedro
• 10 tulipas amarelas
• 3 colheres de sopa de lírio-florentino
Para ambos os potpourris recomendados o processo de preparação é o mesmo. Ou seja:
• esmague metade de cada ingrediente para o aroma se libertar e deixe a outra metade inteira;
• reuna as flores e folhas secas ou as especiarias (se fizerem parte dos ingredientes) combine-as e depois junte o fixador;
• por fim, misture tudo com as mãos. Feche e guarde o preparado num sítio quente, seco e escuro durante 6 semanas;
• coloque-o em taças abertas e sinta o perfume da sua casa.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Workshop/Oficina Óleos de massagem e Pomadas/unguentos com plantas medicinais






No próximo dia 3 de Novembro em Algés, Rua Damião de Góis, nº 34 - 1º Esq. (perto da Estação dos Autocarros, ao lado do MacDonalds).

Workshop/Oficina Óleos de massagem e Pomadas/unguentos com plantas medicinais




(intensivo)

Como se prepara um óleo de massagem?

Como se faz um óleo macerado?
... Como se preparam as plantas?
E que plantas e óleos essenciais se podem utilizar?
E qual o óleo vegetal base mais adequado?
... E como se faz uma pomada? …

Quantas vezes tem feito estas perguntas?

Clarificar estas e outras questões será o intuito desde workshop.
Constituído por dois temas/módulos que se adaptam e entrecruzam, terá uma abordagem bastante pratica de modo a que possa enfim aventurar-se neste mundo fantástico dos óleos e plantas medicinais e aromáticas.


No próximo dia 3 de Novembro em Algés, Rua Damião de Góis, nº 34 - 1º Esq. (perto da Estação dos Autocarros, ao lado do MacDonalds).
Valor: 100 €

Informações e inscrições através dos seguintes contactos:


Tel.: 214115529/916786462/961871637

suntrialquimias@gmail.com
Email: geral@beholistic.pt

www.beholistic.pt


Alguns temas abordados

-Óleos vegetais
-Propriedades e utilização
-Validade e conservação
-Óleos essenciais
-Breve abordagem à aromaterapia
-Propriedades de alguns óleos essenciais
-Alguns óleos essenciais tóxicos
-Percentagem/proporção de óleos carregadores/ óleos essenciais
-Como fazer
-Óleo de massagem
-Barra de massagem
-Plantas aromáticas e medicinais
-Identificação através do nome científico vs nome popular
-Propriedades e usos de algumas plantas
-Maceração em óleo/azeite: frio e quente
-Preparação da planta
-Tipos de óleos/azeites
-Modo de preparação
-Preparação de tinturas
-Preparação da planta
-Tipos de álcool e grau
-Modo de preparação
-Fazer pomadas e unguentos
-Metodologia
-Validade e conservação

Elaboraremos ao vivo um oleo macerado com plantas que usaremos para fazer uma pomada que os participantes levarão no fim da oficina. Faremos também um oleo de massagem com a escolha pessoal dos oleos essenciais a utilizar.
Cada participante terá direito a um manual e aos produtos elaborados na oficina por cada um.

Workshop / Oficina: Sabão Natural - Processo a Frio


Dia 14 de Outubro de 2012


10:00 até 18:00




O sabão natural é feito a partir de óleos e manteigas vegetais e ou animais, aos quais é adicionado uma solução alcalina para que se dê uma reacção química chamada saponificação (ou seja que as gorduras se transformem em sabão).
exemplo de sabão ensinado no wks
Assim faziam as “nossas avós” o sabão. A partir da segunda metade do século XX, estes conhecimentos começaram a desvanecer-se à medida que os novos detergentes e sabonetes industriais foram tomando conta mercado, aliviando até a mulher de mais uma tarefa, no seu já atarefado dia-a-dia. Actualmente e perante as crescentes certezas dos danos e prejuízos causados pelo excesso de químicos recebidos pelo nosso organismo através da utilização dos variadíssimos sabonetes, géis de banho, champôs e tantos outros produtos cosméticos e de higiene pessoal, produzidos e disponibilizados pela industria químico-farmacêutico, há um retorno às coisas simples, às origens, às raízes.
É disso que se trata nesta oficina pratica. Explicar e demonstrar como é que se transforma um azeite, a gordura mais comum no nosso país, em sabão e dele retirar todos os proveitos e benefícios.

Vamos aprender a fazer o nosso próprio sabão. Aprender quais as gorduras que se podem usar, os seus benefícios, quais aditivos colocar.
Abordaremos questões e conceitos como:
-Breve história do sabão;
-Como as nossas “avós” faziam o sabão para a barrela;
-Medidas de segurança;
-Ingredientes:
-Gorduras (óleos e manteigas) e soda cáustica;
-Água destilada e outros liquidos
-Óleos essenciais/óleos de fragrância
-Aditivos e conservantes;
-Tabela de saponificação: como usar;
- O que é o “Excesso de soda” e “sobre-engorduramento”
-Saponificação, moldes e processo de cura.
-Usar plantas aromáticas e medicinais na manufacturação de sabões
- Demonstração de como se faz:
Sabão natural (processo a frio): Lavagens e limpezas.
Sabão natural (processo a frio): Uso pessoal (personalizado)
Alguns usos para o sabão natural lavagens.
Algumas receitas simples e praticas

No proximo dia14 de Outubro, em Algés, Rua Damião de Góis, nº 34 - 1º Esq. (perto da Estação dos Autocarros, ao lado do MacDonalds), Horário: Das 10h às 18h.
Valor:85€ (inclui manual e amostras de produtos realizados no wks)
Informações e inscrições através dos seguintes contactos:

(é necessária confirmação por razões logísticas)

suntrialquimias@gmail.com (Florbela Graça)

Tel.: 214115529/916786462/
961871637

Email: geral@beholistic.pt

www.beholistic.pt

Os participantes têm direito a um manual e a amostras dos produtos elaborados durante o workshop. Em relação a material que precisem levar será: caneta/lapis e um caderno para algum apontamento, e um saco para levar os sabões amostras (que irão acondicionados numas caixinhas), pode se quiser trazer um paninho da louça ou algo similar, para envolver as caixinhas, podem trazer.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Fazendo Cola a Partir de Leite!

Fazendo Cola a Partir de Leite!
Você só precisa de:
- leite desnatado
- vinagre
- uma panela que não seja metálica (uma esmaltada serve)
- bicarbonato de sódio
Aqueça meio litro de leite desnatado e adicione seis colheres de sopa de vinagre aos poucos, misturando constantemente. Quando começar a engrossar, retire-o do fogo. Continue a mexer até que não haja mais possibilidade do caldo engrossar. Espere que a substância assente no fundo da panela. Então coe-a. Adicione 1/2 de copo (60 ml) de água e uma colher de sopa de bicarbonato de sódio (também pode-se usar borato de sódio). Quando cessar o borbulhamento, tem-se cola.
http://www.geocities.com/CollegePark/Bookstore/2334/cola.html

pastas papel, secagem de flores e outros

Técnicas

Papel Machê (receita o1)
1/4 de rolo de papel higiênico
farinha de trigo
gesso em partes iguais a da farinha de trigo
cola fria
Corte o papel em pedaços bem pequenos e deixe-os de molho em bastante água durante a noite. Ferva-os na mesma água, durante uma hora. Para obter melhor qualidade no trabalho, é importante que o papel fique completamente desmanchado. Em seguida coe o papel num pano, até tirar toda a água. Coe de cada vez quantidades que você possa espremer facilmente com as mãos e não misture esses "bolos" entre si. Depois de espremido todo o papel, acrescente o gesso e a farinha de trigo, previamente misturados. A proporção para a massa é de uma colher de sopa cheia da mistura farinha-gesso e uma colher de sopa de cola fria, para cada "bolo" de papel. Amasse bem, até obter uma pasta homogênea. Se estiver muito seca pode esfarinhar. Neste caso, acrescente água aos pouquinhos, até obter o ponto em possa trabalhar a massa. Se a água começar a escorrer entre os dedos, é porque você colocou quantidade excessiva. Neste caso, acrescente um pouco mais de gesso. Não prepare quantidade maior de massa do que aquela que você pretende usar, pois uma vez seco o gesso, não será possível aproveitar a massa. Se desejar fazer escultura com esse material, não use gesso, ao preparar a mistura. Faça-a apenas com o papel, farinha e cola fria, na proporção indicada anteriormente
Fonte de informação:
Enciclopédia de trabalhos manuais - Vol. 03
Editora Lisa

Papel Machê (receita 02)
jornais
cola fria
recipiente
Rasgue o jornal em pedaços não muito grandes e coloque-os em um recipiente. Derrame sobre eles água quente a fim de molhá-los bem. Deixe o papel amolecendo por 10 a 12 horas (uma noite), no mínimo. Esprema com força a massa entre as mãos a fim de retirar toda a água; recoloque as bolas formadas no recipiente. Adicione a cola e forme uma massa, de preferência, compacta; trabalhe-a bem com as mãos e ela está pronta para ser usada
Fonte de informação:
O mundo do artesanato
1981 fabbri Editori, milano

Massa para modelagem
farinha de trigo
água
sal
Misture 4 xícaras de chá de farinha de trigo com uma de sal; adicione 2 xícaras de água. Amasse a mistura até que ela fique uniforme e tenha uma boa consistência para poder manuseá-la. Se a massa ficar muito pegajosa, acrescente um pouco de farinha.
Após a modelagem, leve a peça ao forno, de cozinha, numa temperatura de 140 graus por mais ou menos 3 horas . Se não quiser assá-la imediatamente, cubra com plástico. De qualquer maneira, nunca deixe a massa sem levar ao forno por mais de 2 horas.
Fonte de informação:
Enciclopédia de trabalhos manuais - Vol. 03 Editora Lisa

Tie-Dye - Colaboração de Paula Maria - Recife/PE Tie-Dye não é uma palavra misteriosa ou mágica, mas quer dizer simplesmente "amarrar e tingir" em inglês. é um método antiqüíssimo, e também muito simples, de tingir os tecidos em manchas de tintas. Já Marco Polo, nos contos de suas viagens no Oriente, nos conta como esta técnica foi usada na Índia e na China. Também os peruanos e os índios de lã feitos a mão com esta técnica. De resto, esta tradição não morreu, mas é frequentemente praticada por algumas tribos africanas.
Material necessário
Tintas: use as normais para tingir tecidos
Recipientes: suficientemente grande para se fervam em seu interior os tecidos a serem tingidos
Elásticos
Tesoura
Conta-gotas
Colher de pau
Tiras de plástico
1. Diferentemente dos outros métodos para tingir tecidos, com esse sistema você não pode obter desenhos com contornos preciosos, mas apenas desenhos simples e irregulares. Conforme você liga os elásticos, obtêm-se manchas ou faixas de grande efeito.
2. Se o tecido for novo deve ser lavado para retirar toda a goma e passado a ferro antes de ser tingido.
3. Encrespe o tecido, enrole o elástico nos locais desejados e amarre-o firmemente para não se soltar com a fervura.
4. Banhe o tecido mergulhando-o na água e esprema bem, assim a tinta será melhor absorvida. Prepare em uma panelinha a tinta das cores desejada e vá pintando o tecido com o conta-gotas.
5. Tenha em mãos as tiras de plástico para envolver o tecido, no ponto onde você pintar e amarre-as com elástico. As manchas de tintas não cobertas pelo plástico e pelos elásticos serão eliminadas durante a fervura.
6. Encha de água a panela com a tinta escolhida para pintar a maior parte do tecido, deve ser suficientemente grande para conter o tecido e poder movê-lo com a colher de pau. Ponha o tecido na água quando estiver muito quente, mas não fervendo. Não é necessário ferver a água para fixar as tintas. Se juntar 2 colheres de amaciante para roupa a tinta penetra melhor no tecido. Quanto mais o tecido ficar na solução, mais intensa será sua cor. Enxague abundantemente antes e depois de soltar os nós. Deixe secar e passe
Se desejar pintar utilizando apenas uma cor, envolva as partes que irão ficar brancas com o elástico e plástico e mergulhe o tecido na panela com a cor desejada.
Fonte de informação
O mundo do Artesanato
Fabbri Editore, Milano

PORTA-RETRATOS - MosaicoMaterial: 1 porta-retrato 10cm x 10cm; pastilhas coloridas; gemas; alicate para mosaico; cola branca; rejunte para azulejo branco; água; espátula branca; esponja verde-amarela; pano para limpeza; verniz acrílico ou cera pastosa; tinta PVA branca.


CONFECÇÃO

Corte as pastilhas como desejar com o alicate para mosaico ou use-as inteiras. Fixe as pastilhas e as gemas com cola branca, formando um desenho criativo. Deixe secar por um dia. Prepare o rejunte em pó com água suficiente para formar uma pasta macia. Rejunte a peça com a espátula de plástico. Retire o excesso de rejunte com a esponja verde-amarela molhada em água. Limpe com um pano seco. Espere secar por mais 1 dia. Limpe a peça totalmente com a esponja verde-amarela. Pinte o porta-retrato com duas demãos de tinta PVA branca. Espere secar e encere ou envernize.

Fonte de informação:
Revista Você Faz

Como secar folhas e flores
Método simples
Material necessário

Obtenha um bom número de folhas de papel absorvente do tipo pesado que podem ser encontradas nas boas papelarias ou nas casas especializadas em artigos para pintores. A medida maior e melhor é 60 x 50 cm. O papel absorvente é com certeza o mais adequado para secar suas folhas, mas se você não conseguir obtê-lo, use um velho jornal, dobrando-o cuidadosamente em quatro. Para evitar que a tinta manche as folhas, basta colocar entre elas e o jornal uma folha de papel de seda branco. Você pode usar toalhinhas de papel absorvente ou, em caso extremo, Kleenex, colocadas em mais de uma camada. Além disso, você terá necessidade de um Atlas velho ou qualquer livro grande e pesado que possa ser usado como peso.
Procedimento
Reúna na mesa todo o material necessário e comece a trabalhar. O papel serve para absorver a umidade das folhas. É mais prático cortá-lo todo nas medidas do livro que você tiver. Disponha as folhas e as flores nas "pastinhas" absorventes: este trabalho deve ser feito com muita ordem, prestando atenção para que elas não se sobreponham e que os caules de uma não estraguem a outra. Se as hastes forem grossas é melhor cortá-las com a tesoura, pois, caso contrário, você não conseguirá secar bem as folhas. Depois de colocar as folhas no papel absorvente, ordene estas "pastinhas", uma sobre a outra, em um lugar muito seco e ao abrigo de correntes de ar. Para secar bem, na realidade, as folhas e as flores necessitam de um lugar seco: durante o verão não será difícil encontrá-lo, enquanto que nos meses de inverno, coloque-as sobre o aquecedor, onde secarão rapidamente conservando melhor a cor. Coloque sobre as "pastinhas" o livro que as manterá bem prensadas. Deixe descansar assim por, pelo menos, 15 dias ou um mês depende da quantidade de umidade que possuem): depois estarão prontas para serem usadas. Eventualmente você poderá acender o forno no mínimo durante alguns minutos, a seguir apagá-lo e colocar dentro dele as pastinhas comprimidas entre duas telhas retangulares. Acenda de vez em quando o forno por 2 ou 3 minutos: apenas o suficiente para esquentá-lo. Você poderá também colocar as pastinhas entre duas tábuas de aglomerados, um material especial feito de serragem de madeira misturada à um colante e comprimida, que pode ser encontrada nas marcenarias e com os revendedores de madeira. Coloque duas ripas sob a tábua de base e duas sobre, e aperte o conjunto com quatro tornos de madeira, dois de cada lado. Este método é aconselhado nos casos em que se deseja secar flores inteiras ou raminhos um pouco mais espessos: na verdade, eles podem ser achatados melhor.
O método do ferro de passar ou da evaporação

Este método é particularmente adequado para folhas delicadas, de tecido pouco consistente (carvalho, videira) e para aquelas folhas úmidas e tenras que têm necessidade de ser secas rapidamente para manter a cor. Material necessário

papel absorvente, ferro de passar

Procedimento
Depois que tiver organizado as folhas no papel absorvente, passe, dos dois lados, até notar que as folhas no interior estão completamente secas, tomando quase a consistência de papel. Com este sistema perde-se um pouco de sua cor e se rompem com muita facilidade, mas podem ser utilizadas em seguida. Fique atenta para não "passá-las" demasiadamente, pois o calor as queimaria.

O método da parafina
Aplica-se este método às folhas com tecido consistente, ou seja as assim chamadas "plantas gordurosas" (oleandro, louro, magnólia)
Material necessário

uma panela, pinças pequenas, parafina
Procedimento
Coloque a panela sobre o fogo e quando estiver bem quente ponha parafina para fundir. Quando esta estiver completamente fundida (conserve sempre o fogo aceso para evitar que esfriando-se agrumem novamente) imerja a folha a ser conservada, segurando-a por uma.extremidade com a pinça. Ponha a folha sobre um papel absorvente e deixe que a parafina seque: a folha está pronta para ser usada quando estiver perfeitamente seca.
Fonte de informação:
Revista O mundo do Artesanato
http://www.arteducacao.pro.br/tecnicas/tecnicas.htm#Papel%20Machê%20%20(receita%20o1)

Licores de mel (retirados da net)

LICOR DE MEL

Ingredentes

- 4 litros de auga
- 1 quilo de mel
- 1 litro de  augardente

Elaboración

Bótase a auga e o mel nunha pota e ponse ó lume, deixando ferver a mestura ata que consuma a metade. Retirase do lume é engádese o augardente. Deixase arrefriar e logo de repousar unhas horas envasase. Canto mais tempo leve envasado mellor saberá

(esta receita está em espanhol da galiza)
http://receitasedelicias.activeboard.com/index.spark?aBID=29790&p=3&topicID=8034423

Licor de Laranja com Mel
Ingredientes:

400 gs de Mel

3 Laranjas grandes

2 Limões

1 pitada de Canela em Pó

2 Cravos da Índia

500 ml de Pinga de boa qualidade (80º)

500 ml de água filtrada


Modo de Fazer:

1 - Corte só as laranjas em rodela finas.


2 - Coloque tudo num vidro e feche bem.


3 - Deixe macerar por 45 dias ou mais.


4 - Agite o vidro várias vezes por dia.


5 - Repita o processo todos os dias.


6 - Após os 45 dias, passe no coador de pano.


7 - E filtre as impurezas no filtro de papel.


8 - Engarrafe e sirva, de preferência gelado


Licor de Hortelã com Mel
Ingredientes:

2 kg de Mel

100 folhas verdes de Hortelã

1 litro de Pinga de boa qualidade (80º)


Modo de Fazer:

1 - Coloque num vidro as todas as folhas de Hortelã (lavadas e limpas) junto com a pinga

2 - Deixe macerar por 8 dias ou mais.

3 - Agite o vidro várias vezes por dia.

4 - Após os 8 dias, coe num coador de pano.

5 - Junte o Mel, mexendo bem.

6 - Deixe o xarope em repouso por 4 ou 5 dias.

7 - Passe no coador de pano e no filtro de papel.

8 - Engarrafe e sirva após 30 dias ou mais.



segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Crie o seu proprio ambiente com os óleos essenciais.

Crie o seu proprio ambiente com os óleos essenciais. Conforme o efeito desejado, podem-se criar diversos ambientes com um ou mis oleos essenciais.

Ambiente balsamico
Para casos de sinusite, faringite, e outras afeções respiratórias:
eucalipto
pinheiro
tomilho
alecrim
 alfazema
benjoin

Ambiente relaxante e sedativo
Para casos de nervosismo ou insõnia:
alfazema*
neroli*
ylang-ylang
camomila

*(Recomendados para usar em casos de crianças muito irrequietas com dificuldade para dormir)

Ambiente tonificante e revigorante

Para casos de cansaço profundo, letargia, util também para epocas de exames e necessidade de esforço fisico e intelectual:
limão
alecrim
hortelã-pimenta
lemongrass
mangericão

Ambiente anti-septico
Para prevenir contagios em caso de gripes e resfriados:
tomilho
eucalipto
tea tree (arvore do chá)
bergamota
alfazema
mirra
pinheiro
alecrim
niaouli

Ambiente para afugentar mosquitos e outro insectos
erva-cidreira
citronela
alfazema
cedro
geranio
eucalipto
cravinho da india

É preferivel usar um óleos de cada vez, ou até o numero de três.