A Coruja de Monte Suntria

Suntria é uma das denominações de Sintra...O Monte da Lua ...a coruja...sou eu!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Para suor excessivo nos pés e mau cheiro:

Louro,cravo e camomila
Para suor excessivo nos pés e mau cheiro:
3 folhas de louro, 3 cravos, 1 col de sopa de 

camomila e outra de chá preto. Misture tudo 
em 1 litro de água fervente e faça escalda pés 
à noite por 15 minutos. Secar bem os pés após 
o escalda.

Azeite de cenoura



200 g de cenoura
1l de azeite

Cortar a cenoura em palitos ou lascas e desidratar (ao sol ou no formo)
Colocar num boião e adicionar o litro de azeite. Deixar em meceração
 pelo menos 8 dias. Ou em banho -maria por 2 horas.
Indicações: Calmante da pele, em erupções na pele e queimaduras

Realizar uma infusão

Todos nós sabemos fazer chá. Afinal é só pôr a água a ferver, 
colocar a saqueta ou as ervas e já está. 
Mas será que é mesmo só isto? Aprenda a fazer uma infusão 
extractiva e retire o máximo das propriedades medicinais da 
planta que usar.

De entre os diferentes critérios existentes para realizar uma 
infusão extractiva aconselha-se  a seguinte:

 Meia hora antes de realizar a infusão, adicionar à dose média 
do produto vegetal a extrair,  3 gramas, a metade do volume
 de água fria, com o fim de que se produza uma embebição e  
inchamento das paredes celulares celulosicopectínicas que facilitem 
uma maior extracção posterior por água quente
Uma vez levada a ebulição, a água utilizada para realizar a infusão, 
verte-se sobre o produto  vegetal assim pré-tratado, e tapa-se para 
evitar a volatilização das moléculas aromáticas principalmente, e 
dos princípios sublimáveis como a cafeína. Espera-se até que 
o líquido fique morno, com um tempo mínimo de repouso 
de 15 minutos.
De seguida filtra-se, sendo aconselhável empregar em alguns 
casos filtro de pano ou manga de filtrar café para evitar a 
passagem de pêlos epidérmicos vegetais.
 Ingere-se preferencialmente morno
O costume de estar a aquecer em ebulição durante alguns minutos
 a água fervente, juntamente com o produto vegetal não é
 aconselhável, pois pode-se conseguir uma solubilização de moléculas polimerizadas não desejáveis, que conferem sabor amargo desagradável
 à água extractiva, assim como processos de termolabilização
Se se trata de parte das planta duras, como a raiz ou frutos, 
é preferível realizar uma decocção
 que consiste em misturar o vegetal a extrair juntamente com 
a água fria extractiva, e levar à ebulição em lume brando,
apagando logo que a água comece e ferver.
Assim como com a infusão, aconselha-se a que uma meia
hora antes de começar o processo de aquecimento da decocção, 
realize uma maceração em frio com o fim de facilitar a extracção 
posterior.
Convém também recordar que quanto mais triturado está o vegetal a
extrair, maior é o grau de
extracção pelo que, possivelmente, o mais adequado seria realizar uma
moagem extemporânea do trocisco (medicamento sólido composto 
de substâncias secas reduzidas a pó e reunidas por 
meio de açúcar, goma) vegetal imediatamente antes de realizar 
a infusão para evitar perdas de princípios voláteis, ou então utilizar
 pós vegetais para realizar infusões, empregando sempre um 
filtro de tela, neste caso.

Anti-séptico de ervas

Tenha à mão um anti-séptico de ervas para 
se prevenir contra arranhões, golpes ou abcessos.

Esteja sempre atento a possíveis arranhões ou golpes, vigie-os
 e se ficarem vermelhos, sensíveis, dolorosos ou se começarem a 
supurar líquido, significa que o ferimento infeccionou. É extremamente 
importante que o trate o quanto antes e de preferência que actue antes 
de haver infecção.
 Este anti-séptico natural ajuda à prevenção e ao tratamento de 
infecções em bolhas rebentadas. Para prepará-lo precisa de:
  • Uma porção de tomilho fresco
  • Uma de eucalipto ou alecrim
  • Uma de hortelã (pode ser hortelã-silvestre)
  • Uma outra de bétula-doce ou gaultéria
     Todas estas plantas têm propriedades anti-sépticas potentes. 
    Coloque-as num jarro de vidro e cubra-as com vodka, em maceração.
    Passados uns dias coe e coloque o macerado num frasquinho,
     de modo a tê-lo sempre à mão, no estojo de primeiros socorros.
    Assim, já pode embrenhar-se nas maravilhas da natureza e tratar 
    as suas possíveis arranhadelas naturalmente!

Xarope de agrião com mel (para tosse)



Colocar, em prato fundo, camadas alternadas de folhas de agrião e açúcar 
mascavado (suficiente para cobrir o agrião). Fazer isto até encher o prato.
 Colocá-lo sobre uma panela com água e cobri-lo com outro prato. Aquecer 
a panela até ferver a água. Diminuir o fogo até secar as folhas. Coar após
espremer bem. Acrescentar, ao coado, mel em proporções iguais, isto é, 
1 parte de coado: 1 parte de mel.

Loção com mel e pepino


1/3 
chávena de mel
1/2 
chávena de sumo de pepino
1/2 chávena de álcool 40% (p.ex: vodka)
Adicione o sumo de pepinos frescos ao álcool e conserve tampado num lugar frio 

e escuro por 8 dias. Filtre a infusão licorosa e misture com o mel. Lave o rosto e o 
pescoço com água morna e aplique a loção com álcool. Aplique uma vez ao dia, 
de preferência mais ou menos uma hora antes de se deitar

Cera para couro

Produto para conservação de couro

1Kg de cera
750ml de essência de terebintina
250ml de óleo de linhaça
Dissolver a cera na essência de terebintina. Juntar o óleo de

 linhaça, mexer muito bem antes de cada aplicação para qu
 a mistura fique homogénea  O óleo de linhaça pode ser substituído
 por 150 a 200g de vaselina. Essa "graxa" conserva muito bem
 todos os artigos de couro: sapatos, sacos, correias, arreios, 
botas de montar etc.

Pomadas à moda antiga

Pomadas

50 gramas de banha
5 gs de cera
1 punhado de erva ( a escolher conforme o fim a que destina)
20 ml de azeite.

Frite na banha as ervas sem queimar. Coar e acrescentar 

o óleo ou 2 col de sopa de banha e 1 col de sopa de azeite. 
Deixe esfriar.

Nabo com mel (para tosse)



Cortar o nabo em rodelas finas. Colocar as rodelas até metade de um copo e cobrir com mel. Cobrir o copo com um pires por 24h em temperatura ambiente. Tomar 3 colheres por dia.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Wks sabão natural (especial): Uso de plantas medicinais


Wks sabão natural (especial): Uso de plantas medicinais

  • Algés, Rua Damião de Góis, nº 34 - 1º Esq. (perto da Estação dos Autocarros, ao lado do MacDonalds).
  • Wks sabão natural (especial): Uso de plantas medicinais
    Este wks é indicado para quem já tem noções de saboaria, conhece o método de saponificação a frio (CP ou Cold process) e pretende fazer uso de plantas medicinais e aromáticas nos seus sabões.
    Vamos abordar temas como:
    - as plantas medicinais mais indicadas vs suas propriedades e indicações;
    -cuidados a ter com as plantas medicinais, na escolha e na sua utilização
    -plantas tóxicas e plantas alergénicas e sensibilizantes
    -métodos de extracção:
    (Infusões, decocções, macerações, sumos, extractos secos, etc)
    -como conservar e usar os extractos
    -como integrar os extractos na fórmula de sabão, percentagens possíveis e influencia no produto final.

    - Potenciar o sabão com óleos essenciais
    -propriedades e indicações de alguns óleos essenciais
    -cuidados a ter com os óleos essenciais, na escolha e na sua utilização
    -óleos essenciais tóxicos, alergénicos e sensibilizantes


    Na parte pratica faremos a demonstração ao vivo da manufacturação de sabões usando os conhecimentos adquiridos.

    No próximo dia 28 de Julho de 2013 em Algés, Rua Damião de Góis, nº 34 - 1º Esq. (perto da Estação dos Autocarros, ao lado do MacDonalds).

    Valor: 50 €

    Informações e inscrições através dos seguintes contactos:

    Tel.: 214115529/916786462/961871637

    suntrialquimias@gmail.com

    Email: geral@beholistic.pt

    www.beholistic.pt
    Cada participante terá direito a certificado de participação, a um manual e aos produtos elaborados durante o workshop.
    Material necessário: caneta/lápis e um caderno para algum apontamento, e um saco para levar os produtos/amostras elaboradas no workshop.