A Coruja de Monte Suntria

Suntria é uma das denominações de Sintra...O Monte da Lua ...a coruja...sou eu!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Ti Castelhanito e o grou

Sou nascida em Sintra, mas o meu sangue vem do Alentejo, mais precisamente do concelho de Serpa. E nesse sangue correm os sangues de mouros e espanhóis. Bem, pelo menos é o consta dos “anais da historia familiar”! Pois a verdade que há tempos idos, um espanhol ou melhor, um castelhano,  passou a fronteira e instalou-se por aquelas terras regadas pelas aguas do Guadiana, aquecidas pelo Sol, perfumadas com os aromas de flores, plantas e cheiro de terra. Terras onde os Deuses Antigos se entreteram a bordar o solo de várias cores e tons.

Paisagem alentejana

Da vida e história do ti "Castelhanito", pois que foi assim que ficou conhecido, não se sabe grande coisa, perdida que ficou no passar das gerações, entre alegrias e vidas difíceis. Há no entanto uma que resistiu, talvez por ter sido a ultima, e que se refere à sua morte.

Havia até há alguns anos uma ave majestosa que parava pelo Alentejo pelo Inverno (e que felizmente ainda por cá chegam alguns desses lindos seres), o grou. Ora, o grou é uma ave que ninguém come no Alentejo, era crença mui arraigada que quem comesse carne de grou viveria até aos 100 anos, mas que também, quiçá como castigo por desafiar a lei da vida e os designios de Deus, sofreria muito às portas da morte e a sua partida deste mundo seria demorada.
grous no Alentejo

Consta que o ti "Castelhanito", não sei se por vontade de viver ou por outra razão, teria consumido em alguma altura da sua vida a dita carne de grou. Já velho e com os 100 anos bem vividos, deitado no seu leito, sofrendo as agruras da morte, já tardando a entrega da sua alma ao abraço da dama negra e questionando-se os familiares pela causa de tal demora, alguém se lembrou de ter ouvido falar de tão estranha refeição.

Em qualquer aldeia existem sempre almas caridosas e preocupadas pela vida dos seus conterrâneos, geralmente algumas senhoras mui religiosas e virtuosas e que em gestos de pura bondade e desinteressadamente se oferecem para resolver a vidas de outros. Foi assim que quatro mulheres dessas, que para além disso eram conhecedoras de rezas e benzeduras, resolveram por sua iniciativa auxiliar o ti "Castelhanito",  a fazer a sua travessia, quais barqueiros de almas. Assim dirigiram-se a uma encruzilhada e colocando-se cada uma numa entrada dos caminhos, puseram-se a declamar em voz alta. Uma dizia de um lado: "ti "Castelhanito",  comeu carne de Grou, está passando ainda não passou", enquanto outro do outro lado respondia: "há-de passar", e assim sucessivamente, pois que se dizia que somente dizendo tal, o moribundo deixaria de sofrer e enfim descansaria nos braços da morte.

encruzilhada

Ora tais preparos chegaram aos ouvidos do filho que furioso por tal ousadia e deixando a beira do leito de morte do pai, abalou em busca das mulheres, correndo atrás delas brandindo um varapau. Valeram–lhes as pernas ligeiras e o medo das valentes porroadas que levariam e que as impulsionou a fugir por aqueles campos afora.

Não consta que o filho do Ti "Castelhanito",  tivesse conseguido alcançar alguma delas, se pela ligeireza delas, se por ter sido acalmado por terceiros. Ou que o ritual tivesse tido o efeito desejado, pois que abruptamente interrompido. O ti "Castelhanito",  terá finalmente morrido, diziam uns porque as rezas tinham realmente quebrado o encanto, outros porque Deus finalmente se condoera dele, apesar do sortilégio que cometera e finalmente permitira aos anjos carregarem a sua alma.

Grou no Alentejo a levantar voo


Florbela Graça
12/08/2011

Sem comentários:

Enviar um comentário